Navegantes da Lua - Sailor Moon Portugal

Capítulo 2-Arrufos

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

Capítulo 2-Arrufos

Mensagem por Joana Minako Lima Aino em Sab Nov 12, 2011 8:50 pm

Bunny senta-se na mesa. Uma mão mexe devagar num copo de leite com chocolate que se encontra lá, e um pão com creme de chocolate faz contraste com o branco brilhante da mesa. Mas Bunny não parece tão entusiasmada em beber e comer. O seu olhar encontra-se posto na janela, observando o dia cinzento, mas nem lá fora ela encontra algo interessante para ver. É apenas um dia vazio. Com nada...

O telefone toca.



- Estou sim? Sim está bem. Bunny tens telefone! - diz a sua mãe tapando o auscultador ao mesmo tempo.



- Sim já vou... - Bunny levanta-se vagarosamente, deixando o pão e o copo de leite com chocolate em cima da mesa, sem lhes sequer ter tocado. Ela dirige-se ao telefone e pega no auscultador, fazendo gestos para a sua mãe ir embora. Esta sorri um pouco e desaparece na sala.



- Fala...

- Bunny preciso que venhas agora ao templo, rápido!

- Porquê essa pressa toda?

- Eu depois explico, vem já! - ouve-se Rita quase a gritar do outro lado.

- Está bem, está bem, tem calma Rita que eu já vou! Ate já! - e pousa o auscultador.



Bunny veste o seu casaco, despede-se da sua mãe, abre a porta e começa a andar. O dia está escuro e muito ventoso. Ela aconchega o seu casaco num gesto rápido, pois o frio faz-se sentir na sua pele. Ela olha para um termómetro pendurado no muro de uma casa enorme, toda pomposa, e consta que estão 2 graus negativos. "É por isso que o frio até entra nos ossos" pensa.

Poucos momentos depois os seus passos cessam á frente do templo. A escadaria enorme faz Bunny suspirar de cansaço, pois estava muito cansada de andar sempre contra o vento rua acima, rua abaixo. A muito custo ela sobe a grande escadaria e alcança a porta.



- Olá Bunny! Entra entra! - diz Rita ao abrir a porta antes que Bunny sequer lhe tenha tocado com algum dedo.



Bunny entra rapidamente para escapar ao frio. Dentro do templo estava um calorzinho aconchegador, por isso Bunny tira o seu casaco e pendura este na parede, onde muitos outros casacos estavam pendurados. Depois caminha lentamente para a sala e levantando o olhar, nota que todas as navegantes e o Gonçalo estão sentados nuns sofás vermelhos, grossos e com aspecto fofo. Será que Rita comprou novos sofás? Olhando para o chão vê que também num canto se encontravam Luna e Artemisa.



- Oh! Olá a todos! - diz olhando á sua volta. - Então Rita, qual era a coisa tão importante que querias falar sobre?



- Olha Bunny, nós acabamos de nos reunir para falar sobre este novo incidente. Sobre este novo inimigo...



Bunny olha para Rita com um olhar baço e molhado, e arranja o seu cantinho no sofá ao lado de Gonçalo que a abraça calorosamente, beijando-a. Rita senta-se no lugar que se encontrava antes de Bunny chegar e começa a falar:



- Bem como eu e tu vimos, parece que apareceu um novo inimigo. Eu chamei-vos a todos pois gostava de falar sobre isso.



Rita continua:



- Bunny, tu foste ver como estavam as pessoas ao hospital não foste?

- Sim...

- E então?

- Bem... - começa Bunny, mas de repente sente um aperto no peito. Ela engole em seco para não deixar o choro tomar conta dela.



- Sim...? - pergunta Rita, encorajando-a.



- Eu fui ao hospital vê-las, e perguntei ao médico como estavam. Ele disse que... que... elas nem estavam mortas nem vivas. Não reagiam a nada... Respiravam, o coração batia e tudo, mas não reagiam, não falavam, não se mexiam, absolutamente nada! E do que vi, os olhos delas estavam mortos, vazios, não havia nada por dentro... – e dizendo isto, Bunny apoia a sua cabeça nas mãos soluçando. Os seu olhos começam a queimar e as lágrimas a cair - E eu nem os salvei... Não consegui... Porquê??? - soluça, chorando. Gonçalo abraça-a, tentando-a consolar e Rita aproxima-se e abraça a sua amiga também.



- Não te culpes... Vais ver que isto vai acabar tudo bem... Nós vamos salvar essas pessoas! - diz Rita confiante.



- Rita... - soluça Bunny. O choro desapareçe e um pequeno sorriso triste e molhado dá lugar. - Obrigada...



- Não tens de quê... - sorri Rita. – Bem, e tu Ami, encontraste algo com o teu computador?



- Bem... - sussura Ami - só notei que as pessoas têm falta de algo importante para estarem naquele estado. Não sei bem o quê, como, ou de resto, não sei também absolutamente nada!



Pela primeira vez na vida, a navegante mais inteligente que o mundo alguma vez viu não conseguiu arranjar algumas informações.



- Então estamos completamente sem pistas...



------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------



Uma pequena névoa branca vizualiza-se na escuridão daquele lugar. Formações de pedra, parecidas como pilares brancos destruidos aparecem aqui e ali. No meio de este lugar místico, encontra-se um espelho, fundo e negro, e á frente desse espelho, uma silhueta de joelhos, juntando as suas mãos revestidas de unhas grandes e pegajosas, juntas mesmo ao pé do vidro. Á volta da silhueta encontram-se milhares de pequenos brilhos, fazendo lembrar estrelas. Estes circulam lentamente á volta da silhueta e do próprio espelho.



- Ó escuridão das profundezas, ó minha mestra coberta nos mantos negros da morte, minha rainha, por favor apareça!



Uma sombra aparece dentro do espelho. Uma voz muito rouca e fraca ecoa pelo lugar.



- Então Sailor Vulcânia e Sailor Siren... estava á vossa espera... estou a ver que encontraram os talismãs que tanto precisava. Que lindo brilho que elas têm também... Até lhes sinto o poder... - diz a custo.



- Sim minha rainha. - diz Sailor Vulcânia e Sailor Siren - Acabadas de ser retiradas dos humanos.



- Hm... Isto deve chegar para o que preciso, por agora... Obrigada às duas.. Mas preciso de mais... Vaiam apanhar ainda mais talismãs. Encontrem as que puderem... Vão! - ordena.



- Sim minha rainha. - diz Sailor Vulcânia , desaparecendo na escuridão.



A sombra fica quieta como se estivesse a olhar para algo á sua frente.



- Hmpf... Vão ver... nada nos pode parar agora. - diz sozinha.

Virando-se desaparece algures dentro das profundezas do espelho.



------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------



Bunny vagueia pelas ruas de Tóquio. "O dia começou mal" pensa, agarrando o seu guarda-chuva. Nuvens cinzentas cobrem os céus como uma cortina grossa e encharcada, chuva molhada cai intensamente sobre a cidade, e rajadas de vento fazem Bunny quase levantar vôo. Bunny anda devagar, agarrando com força o seu guarda chuva, e para não escorregar em alguma poça de água. Pouco depois, encontra-se toda encharcada na escola. Cheia pelas bordas como sempre.



- Bunny Tsukino! Então por uma vez na vida a menina decidiu chegar cedo! – berra alguém atrás dela. Bunny assusta-se e volta-se rapidamente.



- Ó stôra, sim! - diz Bunny com um sorriso divertido.

- Hmmm! Será que aconteceu alguma coisa? Está tudo bem contigo Bunny?

- Oh, comigo está tudo bem, o que havia de ter acontecido stôra??? - disfarça Bunny.



A professora lança um olhar, um olhar daqueles que vêm a pessoa por dentro como se de raio-x se tratasse. Bunny engole em seco. A professora dá a volta, e vai embora pelos corredores.

"Ufa!" Bunny encosta-se á parede aliviada. As suas amigas vão chegando e em silêncio, entram na sala de aula onde as aulas começam. A campainha toca.



- Bem meninos e meninas, quero apresentar uma nova aluna que vai andar na vossa turma! - e virando-se para a porta, diz baixinho - Podes vir!



Uma silhueta escondida nas sombras que a porta fazia, dá um passo na luz. A figura que aparece no lugar da sombra escura, é alta e tem um smoking preto a cobrir o topo do seu corpo. Espetados no smoking, encontram-se vários alfinetes, e algumas correntes penduradas aqui e ali. Alfinetes com uma roda redonda com coisas escritas também se salpicam entre correntes e o preto do smoking. Uma coleira de algum tipo, aperta á volta do seu pescoço. Calças pretas com inúmeros fechos prateados, e uns sapatos castanhos e pontiagudos fazem-se vizualizar á luz gerada pelas lâmpadas da sala de aula. Um cabelo curtinho, vermelho vivo, um tampão pendurado numa das suas orelhas e montes de maquilhagem preta vão aparecendo lentamente. Um grande sorriso pintado de preto brilha por toda a sala. Parece muito simpática. Mas parece que muitos não gostaram. Grande parte da turma fica boquiaberta a olhar como se fosse um extraterrestre caído na terra. Depois de este impacto alguns risinhos e sussurros fazem-se ouvir pela sala de aula. Desses sussurros dá para entender algo como "Olha para ela..." e "Olha a porcaria das roupas dela! Parece um espantalho!" - riem alguns alunos á sucapa. A rapariga dá mais uma passo para a frente.



- Olá, o meu nome é Susana Melo e tenho 16 anos. Espero que nós tenhamos um tempo bom juntos.



O resto da turma dá as bem-vindas á rapariga, que por sua vez se senta num lugar livre encostado á parede. Mas os risinhos falsos e os sussuros teimam em não parar...



Durante o recreio, Bunny olha para a rapariga apresentada recentemente com curiosidade. A rapariga está sozinha sentada a um canto olhando em vazio. O resto da turma está a desfrutar completamente do "sagrado" recreio, falando, gritando e correndo. Bunny decide-se por ir falar com ela. Com passos definidos, vai se aproximando.



- Olá!

- Olá... Ei! Tu és aquela rapariga da turma... Como te chamas? Bunna? Bona?

- Não, chamo-me Bunny! O que é isso que tens aí? -sorri.

- Isto? Ahh um pacote de gomas... Queres algumas Bona?



Os olhos de Bunny brilham de felicidade.



- Claro! - e pega logo de uma punhada - e o mfeu nomfe éf Bunny!- diz com a boca cheia de gomas.



Pouco tempo depois Bunny e Susana falavam animadamente, como se fossem amigas de longa data. Bunny já tinha feito uma nova amiga.

Entretanto as outras vão-se se aproximando depois de passarem algum tempo na casa de banho, e juntam-se á conversa. No fim das aulas saiem todas juntas da escola, passeando pelas ruas movimentadas de Tóquio, numa tarde fria e nebulada. A chuva e o vento tinham cessado por volta do meio-dia, mas o frio e as nuvens não sairam do sítio.

Susana morava num apartameneto algures na cidade. Era num prédio pintado de um branco que reflectia muito bem a luz do céu, e buracos com algo verde aqui e ali. Convidaram Susana a ir com elas para o templo e estudar mas esta disse que não tinha tempo. Acenaram adeus a Susana, e deram rumo ao templo de Rita onde iriam estudar esta tarde.

De repente, quando passavam uma passadeira com muito pouco espaço, uma mancha negra, meia transparente, aparece no céu. Essa mancha vai ficando cada vez mais grossa e opaca, até dar a forma a uma figura escura. Essa pousa no chão e vai-se notando um vestido vermelho, com uma grande capa da mesma cor. O seu cabelo vermelho dissipa-se na sua cara morena, e os seus olhos vermelhos fazem lembrar sangue. As multidões de pessoas olham horrorizadas para a figura que acabou de cair do céu.



- Sim, tantos brilhos! Até lhes consigo sentir o cheiro! Bem... Não há tempo para conversas. MORRAM! - e dito isto, um redemoinho negro começa a engolir pessoas para o seu interior. Carros despistam-se, embatendo nos prédios, provocando fumo e fogo.



As navegantes correm rapidamente, escondendo-se atrás de um carro estacionado perto do vulto.

- Meninas parece que está na hora de lutar!

- Sim!



- TRANSFORMAÇÃO DA LUA ETERNA!

- PELO O PODER DO CRISTAL DE MERCÚRIO!

- PELO O PODER DO CRISTAL DE MARTE!

- PELO O PODER DO CRISTAL DE JÚPITER!

- PELO O PODER DO CRISTAL DE VÉNUS!

- TRANSFORMAÇÃO!



- Pronto, agora está na hora de retirar o vosso brilho! Reti...



- Pára imediatamente! – ouvindo isto, a figura volta-se, espantada. No cimo de um prédio, encontram-se cinco silhuetas.

- Como te atreves a atacar pessoas inocentes, e deixá-las num estado que nem podem se divertir nem falar! Somos as navegantes, e em nome da Lua vamos castigar-te!



As silhuetas saltam do cimo prédio, chegando ao chão. No que eram cinco sombras, agora aparece a Sailor Mercúrio, Sailor Marte, Sailor Júpiter, Sailor Vénus e Sailor Moon. Todas com um olhar zangado e sério.



- Olhem, as queridas navegantes deste planeta decidiram aparecer de novo...



O redemoinho dissipa-se, e as pessoas lá dentro fogem, gritando horrorizadas.



- Quem és tu? - pergunta furiosamente Sailor Júpiter.



- Não me apresentei ainda? Desculpem o meu atrevimento... Eu sou a Sailor Vulcânia uma das grandes caçadoras de Talismãs da Galáxia! Agora que me apresentei... Morram! - uma esfera negra forma-se entre as mãos de Sailor Vulcânia, dando lugar a um pilar negro que a grande velocidade, se dirige contra as navegantes. Estas escapam mesmo a tempo de o ataque as atingir.



- Que queres?? - berra Sailor Moon - não te vou deixar fazer estas pessoas como fizeste ás outras! Que lhes fizeste??? Diz!!!



- Queres saber o que lhes aconteceu? Elas estão sem os seus talismãs minha querida...



-T...Talismãs? - a cara de Sailor Moon contorce-se como um ponto de interrogação.



- Não interessa agora, pois vais ficar também sem a tua! RETIRAÇÃO DAS SOMBRAS! - Sailor Vulcânia cruza os braços á sua frente, e um raio negro forma-se, voando até Sailor Moon.



- MARTE! PONTA DE FOGO DE MARTE! - uma ponta de fogo incandescente atinge o raio, dando lugar a uma pequena explosão, atirando Sailor Moon ao chão. As outras navegantes ajudam Sailor Moon a por-se de pé novamente.



- Não vais vencer! Nunca irei deixar! - diz Sailor Moon decidida. Uma luz cor de rosa aparece na sua mão, dando lugar á Chibiusa.

- A Chibiusa... Apareceu... Mas como é p... - murmura.



- Ai não? Toma isto! – mais raios negros voam em direcção a Sailor Moon.



Uma rosa corta o ar abruptamente com um ruído forte, atingindo e impedindo os raios de chegar ao seu destino. Sailor Vulcânia olha espantada para de onde a rosa surgiu. Em cima de um carro encontra-se um homem com um chapéu alto, fato e um grande manto preto.



- A luz que está dentro de cada um, não deve ser retirada e absorvida pelo o mal.



- Gonçalo ! - brame Sailor Moon. - Vieste!

- Agora meninas! - diz.



- Vamos lá! - diz Sailor Júpiter. - Vamos vencer este demónio de uma vez por todas!



- Sim!



- MERCÚRIO! ILUSÃO DA ÀGUA DE MERCÚRIO - uma ilusão de àgua a cheiro de sabão envolve todo o lugar.



- JÚPITER! EVOLUÇÃO DO NÚCLEO DE JÚPITER - umas bolas de núcleo atinge Sailor Vulcânia, combinado com um raio amarelo vindo de Sailor Vénus. Sailor Vulcânia é atirada contra uma parede, caindo no chão com força.



Sailor Moon ergue o Gonçalo. Um brilho dourado surge do seu topo.



- BEIJO DA LUZ DA LUA ETERNA! - um poder forte atinge Sailor Vulcânia.Sailor Vulcânia sente como o seu corpo desintegra-se. O corpo começa a derreter, dando lugar a um líquido preto, combinado com um tipo de fumo grosso e abafado a esvoaçar do seu corpo.



- O que me está a acontecer??? O que é isto!? Tu vais pagá-las! RAIZES NEGRAS!



Tudo acontece muito rápido. Raizes surgem do chão agarrando as navegantes e Gonçalo, eletrocutando-os. Gritos de dor ecoam por toda a parte.



- Então dói? - diz Sailor Vulcânia levantando-se, e com a mão a comprimir a sua barriga, exclama - Agora vão ver! - e cruzando as suas mãos á sua frente a muito custo, grita - Morram! RETIRAÇÃO DAS SOMBRAS!


Brevemente outra joana lima-accção


VISITEM ESTE FÓRUM, É SOBRE TOKYO GHOUL E É PT/BR. É TAMBÉM UM SITE DE ROLEPLAY.

http://tokyoghoul.proboards.com/
Moderadora


avatar
Joana Minako Lima Aino
Susana Melo
Susana Melo

Moeda $ailor : 327
Data de inscrição : 22/09/2011
Idade : 19

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Capítulo 2-Arrufos

Mensagem por Joana Lima em Dom Jul 15, 2012 1:26 pm

Continua por favor


avatar
Joana Lima
Administradora
Administradora

Moeda $ailor : 111
Data de inscrição : 25/05/2011
Idade : 19

http://navegantesdalua.ativo-forum.com

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Capítulo 2-Arrufos

Mensagem por Joana Minako Lima Aino em Sab Dez 08, 2012 12:10 pm

Joana Lima escreveu:Continua por favor

Não sei quando pôr , mais kiss <3


VISITEM ESTE FÓRUM, É SOBRE TOKYO GHOUL E É PT/BR. É TAMBÉM UM SITE DE ROLEPLAY.

http://tokyoghoul.proboards.com/
Moderadora


avatar
Joana Minako Lima Aino
Susana Melo
Susana Melo

Moeda $ailor : 327
Data de inscrição : 22/09/2011
Idade : 19

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Capítulo 2-Arrufos

Mensagem por Conteúdo patrocinado


Conteúdo patrocinado


Voltar ao Topo Ir em baixo

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo

- Tópicos similares

 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum